PG mais uma vez nos EUA! Confira…

Freeday PG mais uma vez nos EUA! Confira...

O skatista profissional Paulo Galera foi mais uma vez para a gringa. Ele passou por Tampa, Miami e Orlando, e ficou lá por quase duas semanas. Diferente da maioria, ele não foi para visitar a Disney World e aproveitar as lindas praias de Miami, então leia a matéria e entenda qual o propósito da viagem.

 

Freeday: Você foi sozinho ou alguém o acompanhou?

PG: Fui eu e mais três amigos, os skatistas Lucas Xaparral, Danilo do Rosario e o fotógrafo e também skatista Rodrigo Kbça.

Freeday: Você participou do Tampa Pro, certo? Achou que mudou alguma coisa desta edição para a do ano passado?

PG: Sim, participei da 23º edição do Tampa, um dos campeonatos de maior tradição de skate no mundo. O que mudou foi a organização que agora é por conta do pessoal do street league, e a pista que muda anualmente.

Freeday: Como se sente participando e disputando do evento com os principais nomes do skate mundial?

PG: Sinto-me honrado, privilegiado e motivado por estar vivendo o mesmo momento e absorvendo a energia dos três dias de skate e confraternização junto com os principais.

Freeday: Foi para lá filmar/fotografar para algum projeto especial ou o foco era o evento mesmo?

PG: O foco foi a viajem em si, o evento, filmar e fotografar.

Freeday: Já é a segunda vez que vai para as mesmas cidades, algum motivo por ter repetido a dose?

PG: O motivo é a proximidade entre Tampa e Miami, que são mais ou menos seis horas de carro e os bons picos de skate entre uma cidade e outra como Orlando (FL) que foi minha primeira vez.

Freeday: Dizem que Miami é a cidade dos brasileiros nos EUA, você já estava mais em casa, mas foi difícil se virar com a língua por lá?

PG: Miami é tranquilo, com certeza é uma segunda casa, existem muitos brasileiros e latinos que vivem por lá, então a comunicação muitas vezes se torna acessível.

Freeday: No EUA em alguns aspectos as coisas são mais evoluídas, acredito que o skate é uma delas. Como é visto o skate pela população local? É tranquilo andar nos picos ou tem horários específicos e os seguranças embaçam?

PG: Muitas coisas são mais evoluídas sim como a educação, segurança, a qualidade de vida e o skate vem junto nessa evolução. A comunidade vê o skate de uma forma positiva. E os picos são como em qualquer lugar do mundo, em muitos você consegue andar tranquilo e alguns às vezes você toma o kick out.

Freeday: Teve alguma coisa que você queria ter feito que com tempo de viajem não deu?

PG: Queria ter andando em mais picos e estendido um pouco mais a viajem.

Freeday: Conte algumas curiosidades que você percebeu lá:

PG: Eu percebi que lá as coisas funcionam em uma velocidade mais rápida, cada cidade que eu passei tem seu life style e suas peculiaridades. Tampa é bem calma e pacata. Orlando gira em torno da Walt Disney, e Miami é lugar que abrange todas ao seu redor, com as praias à beira mar e tudo mais!

Freeday: Você, que já é viajante e quase skatista local de Miami, dê a dica de alguns spots que a galera não pode deixar de passar ao conhecer a cidade:

PG: A galera não pode deixar de passar pela Miami Beach Boulevard, pelo RED BULL DIY spot suplly skate park público construído pelos skatistas locais, e pelos picos de Street de Key Biscayne.

Freeday: PG, estamos encerrando por aí, gostaria de deixar mais alguma mensagem?

PG: Agradecimentos aos meus patrocinadores, Freeday, Santa Cruz e Inst pelo suporte.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *